23/08 – Dia 1 – Roma, perrengue, e gelato.

Chegamos em Roma! Viva! Descemos do avião e começamos a seguir as universais plaquinhas com uma mala desenhada esperando encontrar a esteira com as nossas malas. Não sei se nos distraímos muito em algum momento, ou se realmente a sinalização não é boa, mas depois de andar muito (nem achamos estranho depois de Frankfurt), chegamos a uma esteira onde não havia qualquer indicação sobre o vôo a qual pertenciam as malas que nela passeavam em círculo. Quando fomos reparar nas pessoas, não reconhecemos ninguém do nosso vôo… Ué? Estaríamos no lugar errado? Como?

Uma aeromoça apareceu e eu fui direto falar com ela. Expliquei que descemos em um vôo da LUFTHANSA, de conexão, e ela me disse que nós havíamos ido parar no terminal errado! (!!!!!!!!!!!) Teríamos que sair do terminal 2 e voltar pro terminal 1.

Desesperada, saí igual a uma louca por aquela porta da qual, quando você sai, não pode voltar, e me joguei no primeiro balcão de informações que encontrei. Lá, ao me dirigir a um senhor, usei de cara a clássica pergunta onipresente nos guias italianos:

– Lei parla inglese?

– No.

No????? Como assim “no”? É um aeroporto, porca miséria!! Ele pegou o telefone, discou, e me estendeu o fone. Do outro lado da linha uma voz feminina com um sotaque fortíssimo me disse basicamente a mesma coisa que a aeromoça: deveríamos atravessar a rua (!!) pra voltar pro terminal 1.

Fomos então! Ao chegar no terminal certo, o alívio! Nosso amigo romano, Luca, estava nos esperando na saída correta. Corremos e contamos a ele o que aconteceu. Luca desenrolou com o pessoal da polícia federal (será que eles são chamados assim também na Itália?), e nós conseguimos entrar de novo na sala-na-qual-ninguém-entra-mais-depois-de-sair. Lá estavam elas… Nossas filhotas! Resolvido esse primeiro perrengue, fomos pro carro do Luca, e de lá pra uma loja da VODAFONE onde eu comprei um microchip pro meu Iphone 4. Paguei 10 euros pelo chip e coloquei 25 de crédito. Escolhi o plano vodafone 10 (10 cent o minuto de chamada e o sms). Desses 25, 2 euros foram descontados pra eu poder navegar ilimitado pela internet por uma semana! E vou dizer: que espetáculo o 3G na Europa! Apelidamos a companhia carinhosamente de FODAFONE. 

Loja da Fodafo… digo… Vodafone.


Depois fomos pro bairro EUR, pra casa da mãe do Luca, nosso pouso na cidade. E lá conhecemos uma das mais encantadoras e interessantes figuras dessa viagem: Bruna Pertile! Uma autêntica mamma Italiana! Ela nos recebeu com muito carinho e muita comida! (Ai, Dio mio!!!) E mesmo sabendo que não falávamos quase nada de italiano, começou a conversar com a gente, em italiano, claro, esperando inclusive feedback para os seus comentários! Vou dizer: se ficássemos 1 mês na casa da Bruna, garanto que sairíamos falando italiano bem razoavelmente! Foi através dessas conversas com ela que travamos nosso primeiro contato com a língua e, mais tarde, começamos a nos arriscar a falar. Infelizmente, Bruna se recusou a tirar uma foto conosco. Segundo ela, por ser “vecchia e brutta”… Nós discordamos!

Largamos as malas, tomamos banho, e lá fomos nós com o Luca dar uma volta na cidade. Já havia anoitecido (ou seja, eram mais de 22h), e uma das primeiras coisas que vimos foi o COLISEU iluminado! Difícil descrever o que se sente num momento desses. De repente, você está lá, num dos berços da civilização ocidental, num dia lindo, de férias, e parece que nada na vida pode dar errado! Ai, ai…  Prosseguimos, e após estacionar, Luca nos guiou por duas ou três ruelas e nós demos de cara com ela… LA FONTANA DI TREVI! 


Linda! Linda como um sonho! Como a gente sempre imaginou! Não importa que tenham milhões de pessoas em volta querendo tirar fotos, nem indianos (ou paquistaneses) com suas polaroides querendo tirar uma foto sua e vender por 20 euros… Nada importa quando você está de frente pra ela numa incrível noite estrelada de verão! Me senti em La Dolce Vita. Só não entrei na Fontana de vestido e tudo porque vários carabinieri ficam de butuca por lá, e eu achei que não seria a melhor maneira de começar a viagem. Claro que fizemos o ritual de jogar as moedas!! (Aliás, como tem lugar pra jogar/colocar moeda na Itália! rsrs)



Ao sair da Fontana, seguimos o Luca pelas lindas e iluminadas ruelas de Roma até chegarmos a um lugar inesquecível! A Gelateria Giolitti! Aaah! Vamos enfim provar o famoso gelato italiano e descobrir se o que dizem é verdade: depois de provar o gelato na itália é bem difícil tomar sorvete “comum” de novo. Será que isso é só papo de gente esnobe?

Via degli Uffici del Vicario, 40 00186 Roma, Itália 06 699 1243


Nãaaaao! Não é conversa, pessoal! Foi amor à primeira lambida! Que coisa mais deliciosa!!!! Eu tomei um de nocciola (avelã), tiramisu, e chocolate (algum tipo especial. Infelizmente não gravei o nome.) Mck tomou de pistache e alguma outra fruta. Ai, esses meninos! rsrsrs Eles nunca vão entender a relação das mulheres com o chocolate e “membros da família”. Cada sorvete de 3 sabores custou 4,50 euros. Eu achei que valeu cada centavo!

Luca, Mck, e eu. O melhor é o garçom animadíssimo fazendo graça!


Voltamos a caminhar, agora tomando nossos gelatos, sempre cortando caminho pelas ruelas vazias (por causa da hora) e encantadoras.

Eu e Luca caminhando pelas vielas de Roma.


Fomos parar na Piazza della Rotonda – lar do Pantheon! Lá virou um dos nossos lugares favoritos. É realmente mágico!


Já era mais de uma da manhã quando entramos no carro pra voltar pra EUR. Na volta, passamos de novo pelo Coliseu. E como crianças em sua primeira excursão de escola, dormimos fatigados e felizes, com os corações repletos do que vimos, e do que ainda estávamos por ver!

Comente!
  • É o segundo post e já estou morrendo de saudade da nossa viagem tb – vcs começaram e nós terminamos por Roma – ai, ai !!! Não sabia do perrengue das malas no Aeroporto de Roma – ia ficar em PÂNICO sem minhas malas…

  • Imagina como nós ficamos, Papi!!! DESESPERADOS só com a perspectiva de não encontrá-las! Felizmente deu tudo certo e virou apenas uma história engraçada! rsrs

  • Amo Roma de paixão e mesmo já tendo ido lá algumas vezes, o encantamento é sempre o mesmo. 🙂