30/08 – Dia 8 – Monteriggioni/San Gemignano – Sobre torres e aniversários.

Acordamos pro nosso ultimo dia na Toscana. A paisagem na janela era inspiradora, e o dia estava lindo! Hoje, 30/08/11, nós comemoramos 3 anos juntos!!! <3 Nada mais perfeito para festejar essa data do que estar no coração de um dos lugares mais românticos do mundo!
 
Vista do nosso quarto em Radicondoli
 
Hoje decidimos ficar por perto e visitar duas cidadezinhas próximas: Monteriggionie San Gimignano. Tomamos uma bela colazione e encontramos a nossa amiga italiana, Cristina, no parcheggio. Combinamos de passear juntos.
 
Antes de ir a Monteriggioni, passamos em um lugar incrível, tipo uma delicatessen, onde você encontra os mais variados queijos, azeites, e vinhos. Escolhemos um bom pedaço de pecorino (dica da Cris) pra levar pra lanchar, e compramos algumas coisas pro jantar que faremos na casa da Francesca e do Lourenzo (primos da Cris.)
 
Passamos também em uma propriedade rural onde eles vendem verduras, frutas, e girassóis… Sim, os típicos girassóis da Toscana. O dono, muito simpatico, tentou nos explicar a diferença entre as espécies de girassol, mas ele falava rápido demais e não entendemos quase nada… rsrs Compramos girassóis para levar de presente pra nossos anfitriões, morangos, e figos.
 

Seguimos então a Cris, em seu carro, até Monteriggioni. Essa cidadezinha inspirou Dante na “Divina Comédia”, onde ele a usou como uma alegoria do abismo mais profundo em seu “Inferno”: sobre o muro arredondado, Monteriggioni é coroada por torres, então na margem infernal que o fosso circunda, guerreavam os terríveis gigantes, apenas com a metade de seu corpo encouraçado“. A cidade possui altas muralhas com catorze torres fortificadas que foram construídas pra proteger as fronteiras do norte de Siena contra invasões Florentinas. É muito louco pensar que,  antigamente, quem tinha a posição mais elevada estava em franca vantagem, pois podia vislumbrar a chegada do inimigo a muitas léguas de distância! Isso é que era “poder”!

Monteriggioni vista da estrada

Monteriggioni é bem fofa e super pequena; dá pra visitar em uma hora. Pagamos 3 euros para subir nas muralhas e ter, do alto, a mesma visão que os sentinelas da cidade tinham. Depois demos uma olhada nas lojinhas locais, mas talvez por se tratar de um lugar muito pequeno (e que deve viver quase que exclusivamente de turismo), os preços sejam mais caros do que os dos demais lugares. Há coisas legais, mas nada que você não possa encontrar em outro lugar. Lá eu encontrei uma das igrejas que mais me encantou; uma pequena e modesta igreja em estilo românico.

 Uma das igrejas que eu mais curti na viagem: a mais simples que vimos.
 Com nossa querida amiga Cris.


De Monteriggioni, nos despedimos da Cris (que voltou pra Radi), e seguimos pra San Gimignano.

Ver San Gimignano de longe é um espetáculo à parte: de repente, você vê aquela cidade fortificada se projetando na paisagem com suas treze imponentes torres… É lindo demais!! Detalhe: a cidade chegou a ter SETENTA E DUAS TORRES, mas tirando as treze que sobraram, as demais ruíram por problemas arquitetônicos. Estacionamos do lado de fora e entramos na cidade pela entrada dos fundos. É um dos lugares mais bem conservados que eu já vi! Fiquei imaginando (momento nerd) jogar um live de vampire dark ages lá! Nooossaaa!!


 


Almoçamos no simpático restaurante La Cisterna, na piazza della Cisterna. Comemos pene com ragú de javali e tomamos vinho rosé. Depois do almoço, uma passada básica na “pluripremiatta” Gelateria di Piazza (vencedora dos prêmios de melhor gelato de  2006-2207/2008-2009). Óbvio que o gelato é um pouco mais caro que o normal, mas MEGA vale à pena!!! Tomei um de chocolate Grand Marnier, Nocciola, e Crema de Pazzi (A rich egg cream flavored with bitter orange zest, a touch of Grand Marnier, dark chocolate shavings cover 56% and almond praliné, giving complete and crunchy taste.) Um desbunde!!!!


Pós almoço e gelato, passeamos pela linda cidadela. Entramos e saímos de prédios e lojas, e resolvemos subir a Torre Grossa. (Essa é a vantagem: apesar de todos os gelati, tem MUITA escada pra subir e queimar as calorias! Rsrs)


Subimos os 218 degraus e nos deparamos com uma vista mais do que privilegiada dos campos da Toscana… Um vento maravilhoso soprava… Era como se ele estivesse soprando dentro de nós, de nossas almas…

 Pit-stop.

Quando descemos, já estava na hora de se ajeitar e ir pra não se atrasar pro jantar. Chegamos em Radi umas 17:30, e fomos direto pra casa da Francesca e do Lorenzo.

A casa deles é linda demaaaaais!!! Enorme! Ficamos um tempão conversando na cozinha e bebendo vinho, enquanto a Fran terminava o jantar e o sol se punha lindamente como se a Toscana estivesse se despedindo nos dando esse lindo presente.


Sentamos do lado de fora pra comer uma deliciosa bruschetta, e uma massa ao pesto com salada. Tomamos vinho chianti (o que eu havia comprado em Firenze), e passamos uma noite mais do que agradável com esses anfitriões italianos. O engraçado é que apesar de nunca ter estudado italiano, a coisa flui quando se está conversando, e essa facilidade recém descoberta me encheu de vontade de aprender a língua à vera!

Nos despedimos de todos e de nossa amiga, Cris, e voltamos pro apartamento pra arrumar as malas pra próxima etapa: Veneza!
Enquanto o Mck dormia, eu fiquei acordada sentada em frente à janela, admirando aquela paisagem por uma última vez, e já sonhando com o retorno algum dia…


(Depois vou colocar os vídeos de Lucca, Monterigioni, e San Gimignano. Fico devendo!)

Comente!